Primavera – versão TPM

Hoje é a avant premiere da temporada “bem vinda primavera” em uma timeline perto de você. Redes sociais com mais flores que dinheiro nas malas do ex-ministro.

Recife, que por sua vez só tem verão, ama a primavera mas não é correspondida.

Tá, temos umas papoulas, uns ipês amarelos e bougainvilles, mas olha só, se você tirar a cara do celular e reparar direitinho, elas estão lá o ano inteiro.

Essa estação marota só vem pra constranger nossa auto estima e provar que além de não ter calçadas andáveis e ruas sem buraco, também não temos direito a míseras rosas, gérberas nem margaridas brotando livremente em jardins públicos. Provavelmente porque nem temos jardins públicos.

Na verdade eu nem queria flor, queria mesmo é que ninguém estacionasse na frente do meu portão (mesmo que seja rapidinho só pra pegar junior na escola), queria ficar na fila do supermercado sem ninguém furar a fila (porque a tia estava “guardando” o lugar) e queira muito que a GVT lá de casa entregasse a internet que ela promete no panfleto do sinal. Se no fim do dia ainda tiver uns girassóis, a gente agradece a preferência.

Minha homenagem neste dia, que marca o início do equinócio de primavera, vai para nosso queridíssimo Governador Paulo Câmara e seus 3,7 mil assassinatos em Pernambuco, só este ano. Pra comemorar, sobe som de Titãs:

As flores tem cheiro de morte

A dor vai fechar esses cortes
Flores
Flores
As flores de plástico não morrem”

*Sim, estou na tpm.

 

The Furacão is on the table

O Irma sai cabisbaixo da Florida, rebaixado a terceira divisão do campeonato como uma tempestade tropical.

Abriu mares, derrubou árvores mas, sua ego lombra não resistiu ao poder americano e o furacão ficou cego do olho bem quando atingiu a casa do Mickey.

Dizem que Irma não falava inglês e quando chegou uivando ventos raivosos não foi bem compreendido pela população que estava ocupada demais presa no trânsito.

No quesito devastação o time da casa venceu de goleada: acabou com toda a gasolina do planeta, com a água do Wallmart, lotou hotéis, travou rodovias, comprou armas, saqueou lojas, fez selfs. Isso tudo antes mesmo de ventar. Esses gringos batem um bolão.

Os números dessa rodada também ficaram aquém das expectativas. Irma fez 4 vítimas fatais fora de casa. Perderia até se estivesse no “Campeonato” Pernambucano que, só em Julho, teve 447 mortes por homicídio. #PernambucoSóDáTu
Sad but true. Vamos ao intervalo do primeiro tempo com a triste constatação que o Brasil é mais perigoso sem furacão do que a Florida no meio do Irma.

Nos meus 5 segundos de otimismo, imaginei o furacão passando por Cuba e espalhando uma chuva de rum pelo mundo. O Irma ficaria famoso por unir americanos e cubanos num happy hour ao ar livre, deixando Trump, o campeão interestadual da vibe errada, de boca aberta e cabelo assanhado pelo vento.

Pausa na briga pela supremacia branca para entender que quem manda nessa porra não é branco nem preto, é a natureza.

#ForçaCuba #ForçaFlorida #TamoJuntoCaribe #PagaAcontaTrump

Feminismo Gourmet

Sou meio feminista, meio machista com borda de catupiry. Acompanha guaraná médio e uma confusão mental sem precedentes.

Acordar um dia e descobrir o tanto de merda dita e atitude machista que eu já tive, não é um passeio no parque.

Pode ser mercúrio retrógrado ou evolução da espécie, mas a verdade é que acompanhar a mudança é difícil mesmo. E um alívio ao mesmo tempo.

Sou vintage, nascida nos anos 70, e naquele tempo ser machista era o prato do dia com poucas opções no cardápio social. Antes de atirar o pau no gato, lembre que na minha adolescência não tinha internet, facebook nem a galega empoderada em cima de um dragão gritando DRACARYS e queimando os machistas todos.

Não quero mover a engrenagem do debate atacando. Sim, homens tem muito o que aprender.

Mulheres também.

Eu principalmente.

Já fui bobinha o suficiente para acreditar que mulheres com muito decote tem pouco motivo para reclamar de assédio. Achava super ok o príncipe beijar a Bela Adormecida, mesmo sem ela ter consentido o beijo.

Esse é o retrato da minha geração; feminista o suficiente para saber que iríamos trabalhar e não ficar em casa cuidando das crianças mas, machistas o suficiente para não usar aquela saia curta que mô não gosta.

Um dia você acorda, com ressaca, e a Bela Adormecida fez um textão sobre o príncipe no face, que está atualmente preso enquadrado no novo Código Penal, em seu Artigo 213 que prevê de 6 a 10 anos de reclusão em caso de beijo forçado ou roubado. Incluindo o Carnaval.

Então, não vamos dar a César o que é de Ana, as mulheres chegaram derrubando a porta e mudando o cardápio do dia com tanta coragem e competência que nem deu tempo de eu colocar os óculos para ler as opções.

A vida ainda é injusta, sejamos sinceras, se fosse justa as mulheres receberiam um zap mensal com “olar, você não está grávida, tenha um bom dia” no lugar de uma menstruação. Nem seremos iguais aos homens porque eles tem aquele jeitinho todo especial de fazer merda que nunca entenderemos.

Mas, os direitos e os deveres estão juntos subindo a escada do amadurecimento social. Queira você ou não.

Por falar em deveres, olha só, do pouco que tenho aprendido sobre o feminismo, direitos iguais vem com deveres iguais, viu?. Então pra a gente conseguir colocar em prática a sororidade (palavra tão difícil de dizer quanto de viver) as colegas tem que ajudar. Porque ser moderna e mostrar os peitos para dizer que é livre mas não querer dividir a conta porque pagar é coisa de homem, é o mesmo que pedir um big mac com coca light para não engordar.

Vamos todas, juntas, colocar as atitudes machistas em um spam mental e resetar nosso hd entoando o mantra “talvez vovô estivesse errado”.

Desculpe se não te represento. Mas, às vezes, nem eu mesmo me represento.

Sou a feminista que consigo ser.

Mas, no meu self, além da ego trip, dá pra ver a vontade de ser melhor e aprender. Sempre.

Nem fudendo

Achei engraçado ver o texto #ÁcaroéBoia circulando livremente com o “autor desconhecido” no final.

Na internet somos todos Matt Damon perdidos em Marte nesta terra sem lei nem gravidade. Caiu na rede, é peixe e pertence ao mundo.

Mas, como o diabo mora nos detalhes, a pessoa que originalmente copiou, colou e jogou o texto no what zap cometeu uma indelicadeza imperdoável: MUDOU o texto. Sim, num plot twist inesperado a frase original “as toalhas não secam nem fudendo” foi sorrateiramente trocada por “não secam nem a pau”.

Parece besteira aos olhos do leitor desatento mas, nem fudendo nunca vai ser sinônimo de nem a pau, Juvenal.

Achei uma puta vibe errada.

Se você gostou do meu texto a ponto de copiar e mandar para seus grupos, mesmo esquecendo o crédito, que o faça honestamente e cole o texto original.

Não gosta de como eu escrevo porque tem palavrão? Então escreva seu próprio texto e não mude o meu, neste karalho.

Assim amigo, tu tá trolando a brodagem da boa vizinhança desta tão querida rede social.

Abro mão dos meus créditos, mas não aceito palavras de segunda mão recauchutadas pelo seu purismo.
Das minhas frases não abro mão nem FUDENDO.
Nota do autor: esperando ansiosamente ver o texto ser publicado e assinado por Clarice Lispector.
Assinado: Treta Barbosa

Ácaro é boia

Recife

Céu parcialmente nublado.

Temperatura entre “que frio estranho” e “vou ficar de meia em casa”.

Umidade relativa do ar em torno de “a toalha não seca nem fudendo”.

Aparentemente Elsa deu um let it go no Recife e quando Silvio Santos perguntou “vocês querem trocar esse calor dos infernos por uma brisa esquisita”, a luz vermelha acendeu e a gente gritou em coro: simmmmmmmmmm.
Pronto, estava armado o golpe que derrubou anos de reputação da cidade mais quente do mundo.

Cai o pano.

Seria altamente oh yes ver vários pop ups se abrindo na sua cabeça te dizendo “que frio legal” , “estou me sentindo na Europa”,”Recife deveria ser sempre assim” até você lembrar que suas roupas de “frio” estão todas cheias de ácaros dançando despacito em ritmo de frevo.

O pensamento “adoro esse clima” dura exatamente dois dias e meio. Porque, velho, na moral, esse frio atingiu todos os níveis de alvo errado. Era pra ser, no máximo, em Gravatá ou Garanhuns, porque Recife não tem equilíbrio emocional nem alérgico para 22 graus.

Podem rir gauchos. Podem zoar paulistas.
Mas 22 graus é frio, mano.

Um dia fazia 33 graus e, na calada da noite, ventos alísios vindos do imaginário coletivo polar, sopraram nos arrecifes nordestinos. Agora, recifenses acostumados com chinelas e camisetas, se vêem vestindo o moleton do Epcot Center que algum parente trouxe da Disney em 1997.

Dica do dia: nada de havaianas nessa chuva, viu crianças? Lembrem que aqui os ratos não são o Mickey e leptospirose não é o novo sabor do Yakult, tá?
Que barra. #RecifeFrio #ácaroéboia