Sua cevada não me representa.

Seu Heineken hoje vai dormir no sofá. Assim como alguns exemplares da sua espécime, ele nem sabe ainda porque Dona Heineken não vai liberar o malte essa noite.
Dona Heineken trabalha, leva as crianças na escola, lê Dostoieski, cozinha, passa, escreve relatórios, levas as crianças no dentista, lê o jornal, lava louça, lê Saramago, assisti filme francês e varre a casa, enquanto Seu Heineken aprova o pior comercial já feito na história da publicidade, da sua empresa de cerveja.
Em 30 segundos de puro babaquismo, o locutor anuncia uma super promoção de sapatos na mesma hora da final do futebol. Você vai se livrar da sua mulher, avisa a voz na tv. É só divulgar a liquidação para sua esposa, indica a propaganda.
Homens e cervejas unidos, felizes, livres de esposas chatas que não assistem futebol.
(Oi, meu nome é clichê)
Dona Heineken, como toda boa esposa, foi assistir a final da Liga dos Campeões da Uefa na tv da sapataria da esquina, tomando uma Stella com as amigas.
Ela se perguntava: 22 espanhóis em campo e as mulheres por aí, comprando sapato?
Coitado de todos os Seu Heinekens desta vida; em casa, com a bunda no sofá, rodeado de amigos que arrotam e pensando que suas doces e sensíveis esposas estão comprando sapatos.

- Sabe de nada, inocente.

* A Heineken pisou na bola com as mulheres, e nem precisou usar uma loira semi-pelada desta vez. Este comercial é sexista e, definitivamente, não me representa. Não, não gosto de futebol, mas me interesso por outras 3 mil coisas. Promoção de sapatos não está entre elas. Machismo não desce redondo. Nosso desejo para vocês: que suas Dona Heinekens não liberem a cevada, tão cedo.